Palavras em Tupi no nosso dia a dia. Ibirapuera. Anhanguera. Tietê. Ubatuba. Peruíbe. Ipanema e outras curiosidades. Será que a garota de Ipanema era catinguenta?.

O tupi foi a primeira língua oficial da nossa terra. Daí a sua importância e frequência na denominação de lugares e coisas. O estudo da origem dos nomes de lugares é chamado de Toponímia (Tópos: do grego, lugar); já o estudo da origem das palavras em geral é Etimologia (Étymos: do grego, real, verdadeiro). É possível fazer a disciplina de Toponímia na USP como ouvinte ou como aluno especial, isto é, sem vestibular, e com direito a certificado. Já a cursei e é uma disciplina muito curiosa e interessante. Já Tupi, tive aulas com o excelente professor, doutor, Eduardo de Almeida Navarro, cujo livro pela editora vozes: Método Moderno de Tupi Antigo, recomendo muito. Possui desde a gramática do tupi que, originalmente, era uma língua meramente oral, textos e cartas de Jesuítas em Tupi até questões culturais dos primeiros habitantes daqui. Aí vão algumas toponímias, etimologias e curiosidades dessa língua.

Ibirapuera: vem de ‘ybyrá'(madeira, árvore) + puêra, a ex-árvore ou árvore caída. Diz-se de um tronco seco caído ou de uma árvore morta. Servia como referência para os nossos índios. Aliás nossos índios de 1500 vivam o equivalente da nossa civilização ao paleozóico. Havia caça, pesca e coleta em abundância, quando cessava simplesmente se mudavam.

Anhanguera: vem de ‘anhanga’, diabo, + puêra: aquilo que se foi ou velho. Foi o nome dado a Bartolomeu Bueno da Silva, um aventureiro português, nascido na capitania de São Paulo. Quando ele desbrava o interior brasileiro, se deparou com alguns índios e os obrigou a mostrar onde poderia encontrar ouro. Como os índios negaram dar a informação, Bartolomeu ameaçou lançando fogo em uma botija com aguardente. Ameaçou ainda de incendiar da mesma forma os seus rios e lagos se não mostrassem o ouro. Os índios, com muito medo, levaram imediatamente ao local onde existia ouro em abundância.

‘Para com esse nhé-nhé-nhem‘. Vem de ‘Nhe’eng’, que significa falar.

Ipanema, antigo nome da lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro. Vem de ‘upaba’, lago, ‘nem’, FEDORENTO ou ainda ‘y’, rio + ‘panem’, imprestável. Lago fedorento ou rio imprestável, isto é, em que não havia peixes, por exemplo. Será que a garota de Ipanema era catinguenta ou não sabia pescar? Calma. Existe outra versão: “y-ape-nena”: água-caminho-curvo (água que faz um caminho curvo), “nena” leva til na letra e, e vem do guarani.

Tietê (rio de São Paulo) – de ty- (rio, água) e eté (muito bom, verdadeiro, genuíno), logo rio muito bom, rio verdadeiro

Peruíbe (município de São Paulo) – de iperu (tubarão), ‘y (rio) e -pe (em), logo no rio dos tubarões. Lugar onde tubarões iam ter seus filhotes. Claro que não existe tubarão branco no Brasil. Seria mais uma referência ao Cação.

Paranapiacaba (Serra do Sudeste) – de paranã ou parana (mar), epîak ou epiaca (ver), -aba ou caba (lugar), logo lugar de ver o mar, donde se avista o mar, lugar de onde se vê o mar; nome pelo qual era conhecida parte sul da serra do mar.

Paraibuna – rio de águas escuras

Ipiranga (bairro de São Paulo) – ‘y (rio, água) e pyrang (vermelho)

Iguatemi – rio verde escuro; de rio sinuoso

Curitiba – pinheiral; de curi () e tyba (abundância), muitos pinheiros

TYBA é um substantivo coletivo em tupi e forma muitos topônimos no Brasil. Significa ‘reunião’, ‘ajuntamento’, ‘multidão’. Em português possui várias maneiras: -tiba, -tuba(Ubatuba, Caraguatatuba), -nduva, ndiva, -tuva(Boituva), -tiva.

Boituva vem de ‘mboi'(cobra) + tyba=ajuntamento de cobras ou lugar onde há muitas cobras.

Vamos à praia, então.

Ubatuba: uubá, espécie de caniço, usado para fazer flechas + tyba. Lugar onde há muito dessa planta para fazer flechas.

Caraguatatuba: Caraguatá (espécie de planta)+tyba.

E para finalizar, uma curiosidade: o tupi possui possessivos como qualquer outra língua e um pouco mais. O possessivo XE quer dizer MEU. O verbo ‘ser’ em tupi é subentendido. RERA quer dizer ‘nome’. E aí temos XE RERA que formou a palavra ‘XARÁ’ em português, isto é, aquele que tem ‘meu nome’. Espero que tenham gostado. Cheers!

About these ads
This entry was posted in curiosidades, dicas culturais and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Palavras em Tupi no nosso dia a dia. Ibirapuera. Anhanguera. Tietê. Ubatuba. Peruíbe. Ipanema e outras curiosidades. Será que a garota de Ipanema era catinguenta?.

  1. Geraldo A. Lobato Franco says:

    Em tempo: I-panema, a água podre ou suja era assim e ainda o é.
    As águas do lençol freático do local tido como aprazível, produzem gases fétidos (etano, butano, propano) e todos sabem disso, tanto assim que no lugar existem ao menos dois respiradores fincados ao solo, por onde escapam os ditos gases sem causar maiores atropelos. . .
    E v acredita, ainda pensam em meter terra-a-dentro um tunel de metro cruzando o subsolo de um lado a outro sem maiores estudos e pesquisas geo-morfológicas . . . esses caras do metro devem ser ao menos idiotas . . .
    Já viram como são alguns dos prédios da Praia de Santos?
    É o que pode vir a acontecer com os edifícios de Ipanema. Tanto assim que já existem instalados na infraestrutura de alguns altos prédios do lugar — sensores de vibrações e de outras irregularidades estruturais. Alguem está desconfiado de alguma coisa, com certeza . . .

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s