Bolsonaro, constituição, ‘raça’, Neguinho da Beija-Flor tem mais gene europeu que africano reportagem BBC

Momento oportuno à volta da discussão desse tópico infinito. E vamos lá. Graças às declarações do infeliz deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) nessa semana, que se mostrou homofóbico e racista, um perfeito representante da nossa ditadura, mostrando que esta nunca deixou de estar presente na nossa política e continua a exalar o seu cheiro podre.

Muitas pessoas disseram que o tal deputado tem o direito de se expressar como quiser. Realmente há na constituição o artigo que defende a liberdade de expressão:

art. 5., inciso IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; Assim o fez. Porém, vamos analisar sua posição de destaque:

Art. 45. A Câmara dos Deputados compõe-se de representantes do povo… Nessa qualidade, independentemente do que esse deputado acha sobre determinado assunto. Deve fazê-lo de maneira digna, pois o titular do poder, o povo, vide nós, outorgamos. Vida o primeiro artigo da constituição, em seu parágrafo único:

art. 1…Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Além disso, o nobre deputado deveria ter um dos OBJETIVOS FUNDAMENTAIS da nossa república.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

O mais irônico é que o tal do deputado Bolsonaro, mesmo partido de Maluf, é parte da comissão de DIREITOS HUMANOS e MINORIAS. Pois bem, como pode uma pessoa pública tecer declarações da maneira que fez tendo a posição que tem? Pois é, não pode. Se ele fosse um particular, poderia ser processado no máximo por calúnia e difamação. Acontece que ele não é. Vamos analisar o art. 53 da constituição:

Art. 53. Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos.

Porém, essa inviolabilidade ocorre desde que no exercício de suas funções, como na tribuna.

Agora, mudando para a segunda pessoa: Eu me entristeço e me envergonho de pessoas como você, Bolsonaro. Tenho pena, aliás, de Vossa Excelência, pois, no mínimo, sua ignorância deixou-o míope a ponto de perder a noção do ridículo. Como educador, trago a Vossa Excelência um pouquinho do que deveriam ter-lhe ensinado ao invés de OSPB e educação Moral e Cívica na época da ditadura. Sei que é difícil, mas faça um esforço e Vossa Excelência verá que não há nada mais revolucionário do que a educação.

“I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.

And when this happens, when we allow freedom ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God’s children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual:

Free at last! Free at last!
Thank God Almighty, we are free at last!”      MARTIN LUTHER KING

Agora, por favor, todos nós viemos da África, existe algo que ocorre na meiose 1 chamado de crossing over que promove a variabilidade genética, abaixo trago o texto com a opinião de geneticistas sobre o assunto.

Destinado à discussão do tópico ‘raça’ e tópicos relacionados.

Textos base:

Neguinho da Beija-Flor tem mais gene europeu que africano

Publicada em 29/05/2007 às 11h11m – BBC

RIO – Neguinho da Beija-Flor, o sambista carioca que leva a cor da pele no nome artístico, é geneticamente mais europeu do que africano, indica uma análise do seu DNA feita a pedido da BBC Brasil como parte do projeto Raízes Afro-brasileiras.

De acordo com essa análise, 67,1% dos genes de Luiz Antônio Feliciano Marcondes, o Neguinho, têm origem na Europa e apenas 31,5%, na África.

“Europeu, eu?! Um negão desse”, disse, apontando para si mesmo e num tom entre divertido e desconfiado, ao ouvir o resultado do exame da amostra de saliva que enviou ao Laboratório Gene, do genetista Sérgio Danilo Pena, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Antes de conhecer a conclusão surpreendente do teste, o sambista apostara que devia ser de 70% a 90% africano e que não teria um só gene europeu. “Não tenho olho azul, não tenho cabelo escorrido, não tenho nada de branco aqui. Da Europa, nada”, havia dito, brincando.

O geneticista Sérgio Pena explica a aparente contradição: “Os genes que determinam a cor da pele são uma parte ínfima do conjunto de genes de uma pessoa”.

Para o especialista, o resultado do exame de Neguinho é apenas a comprovação de que a cor da pele é, do ponto de vista genético, o equivalente à pintura de um carro. “É como a diferença entre um Fiat amarelo e um Fiat vermelho. Por dentro, são iguais”, comparou.

Clique aqui para ver como Neguinho da Beija-Flor reagiu aos resultados.Miscigenação intensa

Para chegar aos percentuais em questão, a equipe de geneticistas liderada por Pena analisou 40 regiões do genoma de Neguinho.

As seqüências genéticas (haplótipos) encontradas no sambista foram então comparadas com as registradas em bancos de dados internacionais e do próprio laboratório.

Segundo Pena, o resultado de Neguinho não é raro e reflete, simplesmente, a intensa miscigenação que houve e ainda há no Brasil entre índios, europeus e africanos. O próprio Neguinho tem, por exemplo, 1,4% de ancestralidade ameríndia.

O geneticista compara a análise do DNA genômico às pesquisas de intenção de voto, e destaca que o processo está sujeito a uma margem de erro que vai de 5% a 10%.

Ancestrais africanos

Além da análise do DNA genômico, uma amostra de saliva de Neguinho da Beija-Flor foi submetida a outros dois testes que revelaram de onde vieram os seus ancestrais.

O ancestral paterno mais distante é revelado por meio da análise do cromossomo Y, passado de pai para filho (e não para filha) sem sofrer mudanças, a não ser que haja uma mutação.

A ancestral materna mais distante é revelada por meio da análise do DNA mitocondrial que é passado da mãe para filhos e filhas, também sem sofrer mudanças.

Na análise da linhagem materna, seqüências genéticas idênticas às de Neguinho foram vistas em três populações da África Ocidental: os mancanha (Guiné Bissau), o povo limba (Serra Leoa) e os iorubás (distribuídos por uma região que engloba hoje países como Nigéria, Benin, Gana e Togo).

Do lado paterno, é mais difícil precisar a origem porque o material genético analisado tem, segundo Pena, ampla distribuição geográfica entre as três regiões da África que enviaram escravos ao Brasil – África Ocidental, África Central e Sudeste da África.

A genética novamente explica como um exame pode indicar a predominância européia de Neguinho e ao mesmo tempo “o lado europeu” não aparecer no exame das ancestralidades materna e paterna.

“São bananas e maçãs”, diz Pena, enfatizando que as informações não se contradizem.

É que o DNA mitocondrial, usado para rastrear a ascendência por parte de mãe, remete a apenas uma ancestral materna que viveu na África não se sabe quando. Pode ter vivido há centenas ou milhares de anos atrás. Dessa forma, esse teste não reflete as sucessivas misturas que ocorreram depois dessa ancestral.

A mesma coisa acontece com o cromossomo Y, usado para rastrear a ancestralidade paterna. Esse cromossomo, explica Pena, é passado como um “sobrenome”, de pai para filho sem alterações. Por isso, a sua análise revela um ancestral que deu origem a esse sobrenome, mas não aos que vieram depois dele.

Tanto o DNA mitocondrial como o cromossomo Y são “marcadores de linhagem”

que não necessariamente têm expressão genética, mas ficam “gravados” no DNA do indivíduo.

Para Neguinho, os resultados foram surpreendentes, mas não vão mudar a forma como ele se vê.

“Eu vou pela cor da pele. Se eu disser que sou 67% europeu, nego vai achar que estou de gozação”, disse o músico carioca, pai de dois filhos.

O geneticista Sérgio Pena explica, no entanto, que os testes de ancestralidades materna e paterna revelam apenas o ancestral mais antigo de cada lado.

Daí a importância de se fazer o teste de ancestralidade genômica que tira uma “média” do DNA e estima as porcentagens de ancestralidade africana, européia e ameríndia.

Sérgio Pena calcula em 2,5% a margem de erro dos testes de ancestralidade genômica.

LEIA MAIS:

DNA mapeia origem de brasileiros negros

Ninguém sabe como me definir, diz atriz negra

Especial traça perfil genético de nove negros famosos

Entenda como o DNA é usado na busca por origens

Daiane dos Santos é ‘protótipo da brasileira’

Outras notícias no site da BBC

© British Broadcasting Corporation 2006. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem a autorização por escrito da BBC BRASIL.


About ricardonagy

Bacharel Direito PUC-SP. Pós-graduando em Direito Civil pela EPM-TJSP. Bacharel e Licenciado Letras inglês/português USP. Pós-graduado em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação PUC-SP.
This entry was posted in cidadania, curiosidades, dicas culturais, direito, raça and tagged , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Bolsonaro, constituição, ‘raça’, Neguinho da Beija-Flor tem mais gene europeu que africano reportagem BBC

  1. Rossetti says:

    Bolsonaro é um hipócrita, é o típico político brasileiro. Me mostre um politico honesto e eu te mostro um hipocrita!!!!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s